2 de mar de 2013

Obrigada pelas lembranças




Passei semanas torturando-me, perguntando-me como nosso encontro pós término aconteceria. Imagens horríveis se passaram pela minha cabeça. Você com outra garota. Você, mais lindo que nunca. Você dizendo coisas terríveis sobre mim. Ou, ainda pior, ignorando-me. Nada disso aconteceu. Um dia, simplesmente parei de desejar nosso encontro.
Estava chovendo, o que é raro em minha cidade, e fui ao supermercado com o meu pai. Olhava feito criança para a seção de doces quando senti algo cobrir meus olhos. Pensei em gritar, pensei em correr, mas ,antes que fizesse qualquer coisa, senti o cheiro do perfume importado que lhe dei no natal de 2011. Sorri ao lembrar que sempre cobria os meus olhos com suas mãos dizendo que eles eram tão grandes que não conseguia tapá-los.
        -Irônico, não acha? - você disse ao olhar minha blusa com estampa de coruja.
        - Haha, pois é. - falei, sem graça com a sua presença
        - Você sempre será minha coruja. - acho que corei.
Nos falamos por alguns minutos sobre superficialidades da vida, mas meu pai chamou-me para irmos para casa.
À noite, minha insônia atacou novamente. Fiquei repassando nossa história em minha cabeça. Sou aquele tipo de garota tímida, que sempre tem um sorriso no rosto, mas aquele sorriso esconde muitas coisas. Esconde meu medo. Medo de sofrer, de me envolver e quebrar a cara - me envolvo muito fácil. Mas com você, não temi, sequer percebi. Veio aos poucos e, de repente, já era tudo. Pior, já era amor.
Vieram os beijos em esconderijos na escola, encontros malucos, conversas sem sentido. Vieram as brigas, os ciumes, as cobranças. Vieram os problemas, as nossas famílias, nossos desejos. A doçura e o encanto das primeiras semanas se esvaíram, a confiança foi abalada. Não éramos mais crianças, e jé não éramos mais nada. Um adeus no aeroporto. Um ano depois, estou de volta. Diferente, mais madura, mais bonita.
Cheguei a acreditar que nosso reencontro traria de volta aquele amor louco que sentia por você, me traria de volta para você, mas tudo o que senti foi nostalgia, gratidão pelas lembranças. Eu ainda amo você, apenas não amo mais você. Não daquele jeito louco e sem noção de um ano atrás.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Apesar de Você- Julia Calvacante - 2013. Todos os direitos reservados.
Criado por: Tamires PereiraSakurart.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo